Páginas

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Shirley: Shi's a lady

Um segredo tem sempre a forma de uma orelha
Nem bem ela me via e já vinha: “menina, você soube da separação da fulana? Dizem que ela trocou o marido pelo jardineiro e bla bla bla bla bla bla bla”. E haja paciência pra ouvir tudo que a criatura tinha a dizer sobre tanta gente que eu nem conhecia e, dos que eu conhecia, não tinha o menor interesse em saber dos casos cabeludos ou dos descasos carecas. Aliás, se tem uma coisa que eu não gosto nessa vida é de fofoca, que eu considero não apenas um atraso de vida, mas uma total falta do que fazer.

Dizem que a primeira fofoca aconteceu por causa de de Catarina II, cuja morte foi rondada por uma história maluca sobre um romance da imperatriz com um cavalo. A história já tem mais de 100 anos e já rodou o mundo inteiro, destruindo a reputação da moça. Ainda bem que ela morreu antes de saber o que as pessoas comentavam sobre sua morte, coitada.
Eu considero a fofoca uma espécie de vírus ou um verme, de tratamento e cura desconhecidos. E mortal. Dependendo do tamanho da língua que fofoca a desgraça é realmente grande. A língua da imprensa, por exemplo: descobriram o “nicho” e fomos, então, invadidos por uma verdadeira avalanche de revistas especializadas na arte da fofoca e do mexerico. O pior é que a desculpa não é nem um pouco esfarrapada: há demanda. E há mesmo, tem gente nesse mundo que dá um uma ponta de unha pra não entrar em uma fofoca e um braço inteiro pra não sair dela!
No dia que alguém conseguir criar um antivírus pra fofoca, das duas, uma: ou vai ficar podre de rico ou então vai cair em uma sarjeta do tamanho da língua de um fofoqueiro. É, gente, somos humanos, todos nós, e gostamos, sim, de novidades. Mas fofoca, como o próprio nome já diz, é exagero. Como assim, “o nome não diz”? Ora, é claro que diz: fo-fo-ca! Pra quê tanto “fo” – não bastava um? Bom, fofoca é isso mesmo: redundância, coisa sem a mínima necessidade ou importância.
Mas também pode ser uma arma, mortal e, na maioria das vezes, eficaz. Só não dá para esquecer de uma coisa: se um dia é do fofoqueiro, o outro pode muito bem ser de sua vítima. E haja aciclovir, e haja metronidazol.

6 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Shi minha querida, li seu texto e depois de muito ruminar (velho rumina mesmo) sobre o lido, surgiu uma duvida e um possivel esclarecimento sobre a palavra fofoca.
Será que fofoca não surgiu da sigla:

FO (fora)+FOCA (reporter principiante)= FOFOCA ???????

31/5/10 11:29
Zeca disse...

Shizoca,

tô aqui caraminholando sobre esse belíssimo texto sobre o que mais gostamos de fazer nessa vida: a fofoca. Cê já pensou que onde existem duas pessoas conversando, inevitavelmente estarão fofocando? Se falam sobre um parente, um amigo ou sobre artistas de tv ou, principalmente sobre os políticos, estão fofocando. Independente de ser uma "má" ou "boa" fofoca. Bom, mas saber o que é má ou boa fofoca, quem sabe numa próxima crônica?
Uma perguntinha que não quer calar: por que será que fofoca é sinônimo de mexerico? Terá a ver com aquela fruta deliciosa, cujo cheiro se espalha e vai longe?
Gostei do seu texto! Muito mesmo! Depois vou comentar com os outros a respeito dele... e da autora... hehehe.

Beijos,

31/5/10 20:12
Francisco de Assis disse...

Minha querida Shi,

A fofoca é a maior fonte de renda do mundo. Todo mundo pensa que é o futebol, petróleo, etc. Errou. A fofoca dá dinheiro. Todo mundo fala de algo. Já pensou 6,5 bilhão de habitantes no mundo falando da vida alheia!
Abraços.
Assis Azevedo

31/5/10 22:30
Euza disse...

Coisa sem a menor importancia, mas quem nunca fez uma fofoquinha que atire a primeira pedra, né não? rs...
Tou descobrindo agora que fofoca é um tema vastíssimo, viu Shi? E interessante. Só de te ler já deu vontade de sair escrevendo sobre! Ou será a qualidade do texto que faz a gente querer continuá-lo? rs...
Beijo, mulher! Amei voltar a te ler!

1/6/10 18:30
Barbara disse...

A idade é uma fatalidade. Gosto mesmo é da vida dos outros.
(Barbosa Lima Sobrinho justificando a lucidez no centésimo aniversário)
*Barbosa Lima Sobrinho

Não sou de muita fofoca, até porque sou meio antisocial mas quando te li só lembrei disso aí.

6/6/10 01:35
Aline Belle disse...

Difícil classificar o que é ou não fofoca, né? Dia desses passei por fofoqueira pq passei pra minha diretora a informação (importante/relevante!) sobre um func. e o gerente coml. achou q eu não deveria ter feito. Tachou-me de fofoqueirinha. Puro despeito...
Então tudo é uma questão de quem fala, de quem ouve, de como fala e de como ouve...? Num sei, mas sei que gosto de vezenqdo dar uma olhada na Contigo, no Ego...rs
Como disse a Euza, um tema cheio de possibilidades e opiniões.
Beijundas, Shi!!!

7/6/10 00:47
 
PALIMPNÓIA | by TNB ©2010